AMOR...A BASE DE TUDO NA VIDA!

AMIGOS QUE NÃO DÃO PENA, DÃO ORGULHO!

Venha e junte-se a um grupo de amigos que já participam do blog e se preocupam com o nosso país, com as nossas crianças, com a natureza, com os idosos e também com os animais. Faça essa "corrente pra'frente" e se gostar das postagens, COMENTE.Aqui você FAZ A DIFERENÇA! Sejam muito bem vindos!

AMIGOS INCENTIVADORES DO BLOG "BRASIL DÁ PENA" :

domingo, 29 de julho de 2012

PROFISSÕES INEXISTENTES(OU QUASE)NO JAPÃO

Vivendo há algum tempo na terra do sol nascente, a gente passa a conhecer a cultura e o modo de vida dos japoneses. Para quem é brasileiro nato(como eu), a chegada ao Japão logo de cara, a gente logo sente a imensa diferença da vida do nosso amado Brasil, a começar com as luvas que todos os motoristas de táxi utilizam em seus itinerários, além do quepe. Mas isso era apenas um pequeno detalhe. Se no Brasil eu me estressava com o trânsito e os buzinaços, aqui eu achava muito estranho não ouvir ninguém buzinar, mesmo com o trânsito parado.Quanta paciência e disciplina! Coisa de Japão mesmo, pensava eu comigo. Mas uma coisa que hoje me chama a atenção aqui, são algumas profissões(ou pseuda profissões)que existem no Brasil. Vou mostrar algumas e explanar um pouco do "porquê" que elas inexistem aqui no Nihon...

1º - Empregadas Domésticas


Se no Brasil, ter uma empregada doméstica em alguns casos é um luxo, aqui no Japão esse profissional praticamente inexiste. Tanto nas famílias de classe média,ou classe média/alta, e até mesmo na família Imperial, nunca se teve o hábito de ter empregados para as tarefas de faxina ou mesmo de cozinha. Quem faz esse serviço geralmente são os membros da família, encabeçados pela figura da mulher, que em muitos casos é quem controla o orçamento da casa. Já na família Imperial, obviamente ninguém pode imaginar o Imperador Hiroito com uma vassoura nas mãos, contudo lá pelas bandas do castelo japonês, uma empresa é contratada para executar uma vez por semana, as tarefas de limpeza. 

 2º - Flanelinhas ou Guardadores de Carro


No Brasil, quantas e quantas vezes você já desistiu de ir a algum evento, por não ter onde estacionar o carro ou mesmo por não ter confiança de deixá-lo sob a guarda de um flanelinha? Isso é um problema de toda grande cidade brasileira....Mas e aqui no Japão? Como é?
Pois é meus amigos, esses moços com caras de pedintes e com uma flanela surrada nas mãos, aqui no Japão não teriam vida. Carros aqui existem aos milhares, só  para vocês terem uma ideia, da população ativa japonesa, da idade entre 18 e 65, há o incrível percentual de 93% de pessoas que possuem veículos. No caso dos estrangeiros,  basta o primeiro salário do mês para se comprar um bom veículo e ainda sobra dinheiro para se passar o mês. Mas há um problema maior. A carta! E obter a licença japonesa, temos que ter paciência e perseverança, pois não é muito fácil não. Tirei a minha tendo que ir ao Brasil e passar por seis tentativas. Ufa, consegui!!! Aqui JAMAIS se pode estacionar veículos nas ruas como aí no Brasil. Existem estacionamentos por todas as cidades japonesas. Você chega, estaciona,fecha o carro e vai embora...A disciplina e paciência são virtudes japonesas. Flanelinha? Pergunte para um japonês...Ele vai pensar que é apenas aquele pano amarelado que serve para limpeza.

3º - Porteiros de Fábricas


Ah!!!Se no nosso querido e idolatrado Brasil pudesse ser assim...Quanta maravilha!!! Aqui as fábricas japonesas não existem muros altos, nem guaritas com vigias, guardas, porteiros, nada disso. Há um livre acesso de quem chega e sai. São contados nos dedos as empresas com alguém na porta, querendo saber aonde você vai. Isso se aplica apenas e tão somente aos grandes grupos e conglomerados japoneses e obviamente, às empresas de segurança e que manipulam valores ou objetos de valor, como joias e artes por exemplo.Fora isso, "irashai mase",ou melhor...SEJA BEM-VINDO!

Bem, muitos hão de pensar, mas isso são coisas de país de primeiro mundo, no Brasil não tem jeito de mudar isso, etc. e tal. Tudo bem, fiz este post não propriamente para fazer comparações, sei perfeitamente que ainda temos muito a aprender. Nossa cultura e nossa educação ainda não nos permite sermos um país do futuro. No dia em que um governo assumir o Brasil, e colocar como projetos prioritários a EDUCAÇÃO e a diminuição da VIOLÊNCIA, aí sim, poderemos vir a imaginar que o país seja igualado ao Japão, pelo menos em alguns bons aspectos.


Postar um comentário