AMOR...A BASE DE TUDO NA VIDA!

AMIGOS QUE NÃO DÃO PENA, DÃO ORGULHO!

Venha e junte-se a um grupo de amigos que já participam do blog e se preocupam com o nosso país, com as nossas crianças, com a natureza, com os idosos e também com os animais. Faça essa "corrente pra'frente" e se gostar das postagens, COMENTE.Aqui você FAZ A DIFERENÇA! Sejam muito bem vindos!

AMIGOS INCENTIVADORES DO BLOG "BRASIL DÁ PENA" :

domingo, 12 de agosto de 2012

O MEU VELHO PAI "VALENTE"...

Hoje comemoramos o DIA DOS PAIS. 12 de Agosto. Eu como pai, você que me lê agora, sendo pai, ou mesmo minhas amigas tão queridas que tenho aqui, que ainda tem a felicidade de terem ao lado os seus papais, desejo oferecer este post...(além do meu, óbvio!)

12 de maio de 1963. Época da revolução, da política brasileira de dois partidos, ARENA e MDB.E uma época apesar de um pouco distante dos tempos de "bang-bang" dos filmes hollywoodianos, os homens da política desse tempo gostavam de resolver suas diferenças à bala.

À todos os amigos que me seguem aqui, o assunto até pode parecer um pouco "enfadonho"...pô,história da família do Rubi, quem se interessa por isso? Eu sei que muitas vezes quando trazemos nossa história própria aqui para o mundo da blogosfera, muitos passam os olhos rápido no texto, poucos leem ,etc. e tal. Mas o post eu abro e dedico aos amigos que me tem uma certa estima e valorizam a nossa amizade.

Eu sempre percebi a diferença entre a postura entre o PAI e a MÃE, na educação, disciplina e formação de valores na vida de um filho. Tem vezes que comparo que o pai, digamos é como astrônomo experiente e com vários anos de trabalho, que quando vislumbra uma nova estrela no espaço cósmico, procura lapidar,controlar, medir, e depois de ter certeza que está pronta para ser vista, DIVULGA e sente orgulho em saber que foi ele quem a achou. Já a mãe(por favor gente, lógico que toda regra tem sua exceção, tem mães que fazem sozinhas o papel de pai/mãe, e "tiro o chapéu" para essas "Valentes" guerreiras, que deveriam receber presentes dobrados em maio e agosto), contudo, existem muitas mães que relevam e abrem muito as chamadas "porteiras" para os filhos. Vocês querem um exemplo?

A filha completa seus 15 anos, tem desejo de ir com os amigos a um baile funk, após a festa do seu níver, que o pai fez,  contando com a presença digamos...sei lá, do Luan Santana..(sic..rs!).O pai proíbe, veta, entende que é perigoso, é tarde, etc. e tal.
Já a mãe, que ficou a tarde toda preparando o vestido, os sapatos, a maquiagem e os preparativos para a festa debutante da filha, de uma certa forma se emociona com o desabrochar da "sua flor", e vendo a "sofreguidão" da filha, clamando para ir pela primeira vez a um baile funk, pedindo com os olhos cheios de lágrimas, "abre a porteira" e aí tenta convencer o pai a deixar que ela vá com os amigos ao baile...

Óbvio, aqui é uma mera ficção...Mas querem saber como poderia ter acabado essa "historieta"?. Desculpem a dramaticidade, poderiam ter perdido uma filha e um casamento...
Por isso, que digo,  geralmente, os pais FECHAM a porta. As mães, ABREM. Mas isso é até normal, a mãe dá a cria e com isso muitas vezes o cordão umbilical parece não se romper jamais. Parecem seres indivisíveis, que não se pode tirar metade. São praticamente seres "caras-metade".

Meu pai JOAQUIM...Um pai VALENTE. O seu próprio nome já dizia...V-A-L-E-N-T-E. Com minha mãe DONALBA,(hoje com 95 anos, graças a Deus!) tiveram suas SETE crias(eu sou o mais novo da prole, mais cinco lindas e adoradas  irmãs e um irmão querido e saudoso que hoje reside com as estrelas lá no céu), meu pai nos deixou quando eu tinha apenas 7 anos.(a vida e as dores me ensinaram o resto!).

Quando a gente tem essa idade, até hoje, poucas e mínimas lembranças vem à tona.(Tai o Jorginho da Avenida Brasil que não me deixa mentir..rs). Mas "vira e mexe" eu me lembro de meu velho pai, que se fosse vivo hoje teria 101 anos, usando sempre o óculos de armação preta e...UM TERNO DE LINHO BRANCO...

VOA LONGE, O MEU TEMPO DE MOLEQUE...
SALTITANTE E SERELEPE
PELAS MINHAS RUAS DE ALENQUER.
BEM DIZIA ATAULFO EM SUA PROSA,
AQUILO ERA UM MAR DE ROSAS
GUARDO A LEMBRANÇA ONDE ESTIVER.

A CASA GRANDE DA TIA ISOLINA
ONDE A GENTE SE ESCONDIA
REFLEXO DO VELHO TEMPO.
EU BRINCAVA À REVELIA
O QUE O MEU PAI ME DIZIA,
GUARDO HOJE NO MEU PENSAMENTO.

QUE SAUDADES DA "RUA DA FRENTE"
O REDUTO DOS VALENTES,
DE MINHA ALENQUER DE OUTRORA.
GRITA POVO,SOCIEDADE,
GRITA AMIGO POR TUA CIDADE,
NÃO BAIXA A CABEÇA AGORA.

MINHA ALENQUER TÃO MALTRATADA
TÃO ESQUECIDA E TÃO USADA,
POR ESSES HOMENS DE "PALETÓ"...
SE ENRIQUECEM NA SURDINA
O CHEIRO FORTE É DE "LATRINA"
LOCUPLETAM-SE SEM TEREM DÓ...

MINHA ALENQUER, HOJE RECORDO
O TIRO, O SANGUE, NO TERNO DE LINHO BRANCO,
UMA VIDA DE ARRIMO CEIFADA...
MINHA PRIMA E O CORPO DO PAI INERTE...(*)
PAI! PARTISTES E NEM ME DISSESTES,
SE VOLTAVAS NUMA ESTRELA ALADA...

VOA LONGE, O MEU TEMPO DE MOLEQUE,
SALTITANTE E SERELEPE,
PELAS RUAS DE MINHA ALENQUER.,
E QUEM É FILHO, DEVERIA,
PLANTAR-TE FLORES, NÃO TÃO VAZIAS
E AMAR-TE,COMO UM HOMEM Á UMA MULHER!!!
(poema escrito originalmente  em junho/1992, onde participei no Concurso de Poemas/Poesias, caderno Cotidiano do Jornal Folha de São Paulo, edição de 13.06.1992), e obtive o honroso 4º lugar,concorrendo com mais de 1.700 textos).

Meu querido pai se foi naquela noite sem lua de maio...Depois da covardia da tocaia, correu e conseguiu chegar até a casa de meu tio, há umas quatro quadras seguintes..(*).Desfaleceu nos braços de minha prima, que estava à porta do grande casarão, vindo a falecer horas depois...

Não sou o Galvão, mas vou dizer...BEM AMIGOS do mundo da blogosfera, vocês que ainda possuem os pais ao lado, lhes deem muito amor, muito carinho, muita atenção, muita compreensão, muita paciência e saibam que EU, com a essência do meu interior, gostaria MUITO,se fosse possível, de poder ainda abraçar meu velho e saudoso pai, e dizer.."MEU VELHO PAI, TE AMO MUITO!!!"

Ahhh!!! Aquele velho terno de linho branco!!!!!

Com Saudades Quase Cinquentonas...
TEU FILHO, "RUBI".

P.S - A matéria de abertura do post, refere-se ao site de Ismaelino Valente, O MARAMBIRE.




Postar um comentário