AMOR...A BASE DE TUDO NA VIDA!

AMIGOS QUE NÃO DÃO PENA, DÃO ORGULHO!

Venha e junte-se a um grupo de amigos que já participam do blog e se preocupam com o nosso país, com as nossas crianças, com a natureza, com os idosos e também com os animais. Faça essa "corrente pra'frente" e se gostar das postagens, COMENTE.Aqui você FAZ A DIFERENÇA! Sejam muito bem vindos!

AMIGOS INCENTIVADORES DO BLOG "BRASIL DÁ PENA" :

sexta-feira, 24 de junho de 2011

A PAZ


"A PAZ eu percebo nos dias de hoje, que é como a FELICIDADE. A gente busca, procura, caça, clama.A gente se ilude, reclama. A gente xinga o nosso colega de trabalho, nosso vizinho, a gente não entende mais a linguagem dos nossos filhos modernos. Nós agora somos os "velhos".E nós mesmos, muitas vezes nem temos mais paciência em ouvir os "nossos" velhos...





É como se a vida, o ciclo do ser humano fizesse uma reciclagem. Tanto a PAZ, como a FELICIDADE no íntimo, NÃO EXISTE. O que existe são alguns momentos de paz, alguns lampejos de felicidade.Eu sou brasileiro, país emergente com uma economia controlada aparentemente. Emprego em alta, PIB satisfatório, governo da Dilma(conforme os mecanismos do IBOPE) de média aceitação, indústria vendendo e exportando como nunca se viu.


E DAÍ??? Porque a mídia insiste em nos colocar nesse patamar de país forte, industrializado, de forte economia...Se nos falta o principal., A PAZ, A FELICIDADE





De que adianta eu ter uma economia controlada, ter dinheiro no bolso, fazer parte do Grupo dos Vinte, ser rotulado junto com Índia, China e Rússia como os países "do futuro", se me falta o principal. A PAZ, A FELICIDADE.



 Eu sou um brasileiro.Amo imensamente o meu lindo e maravilhoso(geograficamente falando) BRASIL. Mas vivo e trabalho atualmente em outro país. E aqui, felizmente eu tenho o principal.A SEGURANÇA. E aqui, políticos até se suicidam caso cometam,por exemplo, CORRUPÇÃO.
Quanto a PAZ, e a FELICIDADE, isso eu tenho, em MOMENTOS  e LAMPEJOS.






O resto, é TRABALHO."
                                                                      (Antonio Rubilar Valente)
Postar um comentário